132 anos da criação da Paróquia São Sebastião de Ipu

terça-feira, outubro 27, 2015

Com alegria registramos nesta Terça-Feira, dia 27, a criação da Paróquia São Sebastião de Ipu. A Lei Nº 2.037, de 27 de Outubro de 1883, eleva a condição de Matriz a Capela de São Sebastião de Ipu, desmembrando-a da Freguesia de São Gonçalo da Serra dos Cocos. Hoje, portanto, é um dia significativo e festivo para todos nós que fazemos parte dessa querida Paróquia, que ao longo dos anos contou com a dedicação de zelosos pastores e piedosos fiéis que de forma fervorosa dedicaram suas vidas na construção da Igreja de Jesus Cristo entre nós. Também neste dia, queremos prestar nossa gratidão as nossas pastorais, movimentos e grupos que atualmente desempenham suas atividades em nossa Paróquia. Que Deus seja louvado!

Dados Eclesiásticos da Paróquia de Ipu

 O trabalho de conquista, realizado pelos primeiros catequistas e continuado, eficazmente, por missionários vindos de Portugal e Pernambuco a partir de 1740 e seguidos de outros sacerdotes, os quais fizeram construir a pequena capela de São Sebastião em local não distante da hoje velha Matriz, esta construída em 1765, embora não se sabe ao certo a data de início da construção da primitiva Matriz, hoje chamada de Igrejinha do Quadro, mas há quem afirme que deu início a sua construção entre os anos de 1757 a 1759;

 Em 1843, a primitiva matriz de São Gonçalo, que estava ameaçada de cair, foi demolida. O vigário colado recém-nomeado Pe. Francisco Correia de Carvalho e Silva resolveu, então, pedir licença para trasladar as imagens e alfaias para a capela de São Sebastião do Ipu, enquanto não construísse o novo templo. O Padre permaneceu no Ipu até sua morte (13 de Junho de 1881). Padre Correia viveu 38 anos no Ipu, mas  não foi Pároco. Ao chegar em Ipu Pe. Correia fez uma mudança radical na Igrejinha, que era muito pequena, suas paredes eram de taipa e virada para o Poente. Fez uma modificação radical e transformou toda a Igreja, virando a sua frente para o Nascente;

 Seu sucessor, Pe. João José de Castro foi nomeado ainda como vigário encomendado de São Gonçalo da Serra dos Cocos e como o seu antecessor, continuou a residir no Ipu. Pautado numa fé incontida Pe. Castro construiu o Santo Cruzeiro em 1883, que ainda hoje encontra-se defronte a Igrejinha;
  
 Pe. Francisco Máximo Feitosa e Castro. Natural de Cococi – CE, descendente da ilustre “Casa” do Cococi, nos Inhamus. Nasceu aos 29 de Maio 1847. Foram seus Pais, o tenente – Coronel Lourenço Alves Feitosa e Castro e Dona Luiza Alves Feitosa. Faleceu aos 76 anos de idade, contando meio século de vida sacerdotal, aos 13 de Agosto de 1923, em Cococi – CE, onde está sepultado. Suas últimas palavras:

 “Pai, estou pronto. Confio na tua misericórdia.”;

 Pe. Dr. Aureliano Mota (3º Vigário – 23 de Set. 1911 a Fev. 1916). Nasceu em Pedra Branca, 10 de abril de 1885. Faleceu em Fortaleza a 12 de Setembro de 1907. Pe. Aureliano mandou esculpir a imagem do Bom Jesus que ainda hoje existe por um Francês que morava aqui no Ipu. Pe. Aureliano sentiu a necessidade de uma nova Igreja e por isso lançou a pedra fundamental da nova matriz. A planta foi do Arquiteto Ipuense Arquimedes Memória;

 Mons. Gonçalo de Oliveira Lima (4º Vigário – 19 Abr. 1916 a 21 de Dez. 1946). Nasceu no dia 09 de Janeiro 1884, em Ipu. Mons. Gonçalo, era um batalhador incansável e só queria o melhor para seus paroquianos. Reformou a Igrejinha de Nossa Senhora do Desterro. Foi o idealizador do Patronato Sousa Carvalho. Foi considerado Por Dom José Tupinambá da Frota, como um dos mais belos ornamentos do clero da diocese de Sobral. 

 Mons. Francisco Ferreira de Moraes (5º Vigário – 10 Jan. 1947 a 08 de Dez. 1999). Filho de José Olímpio de Moraes e de D. Maria Ferreira da Conceição de Moraes. Nasceu em Crateús – CE, aos 09 de Agosto de 1911. A atuação do Mons. Moraes como sacerdote foi coroada de pleno êxito pelas suas qualidades morais, aprimorada cultura, brilhante orador sacro e virtuoso sacerdote. Fundou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Patronato Sousa Carvalho; Ginásio Ipuense; Escola profissional; Maternidade Hospital Dr. Francisco Araújo; Posto de Puericultura; implantou os primeiros telefones; organizou a Banda de Música; Centro Social Urbano. Conseguiu com o Governo do Ceará, a estrada de Canindé a Ipu; implantou a Rádio Catedral FM, dentre tantos benefícios para a população Ipuense;

Pe. Raimundo Nonato Timbó de Paiva (6º Pároco – 09 de Dez. 1999). Natural de Hidrolândia. Foi reitor do Seminário Menor São José de Sobral. Foi administrador por duas vezes da Diocese. Construiu e reformou várias capelas em nossa Paróquia, além de ter incentivado a implantação de várias pastorais.

Limites Geográficos com relação a outras paróquias

A Paróquia de São Sebastião de Ipu, limita-se ao Norte com a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Pires Ferreira; ao Sul com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Ipueiras (Diocese de Crateús); a Leste com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Hidrolândia e a Oeste com as Paróquias e de Nossa Senhora dos Prazeres – Guaraciaba do Norte e Nossa Senhora das Dores – Croatá (Diocese de Tianguá)

(Fonte: Paróquia de Ipu - sua história. Organizador: Pe. Raimundo Nonato Timbó de Paiva. Em comemoração da restauração da Igrejinha).