Papa alerta sobre caminho para guerra mundial pela água

sábado, fevereiro 25, 2017
"Eu me pergunto se em meio a essa terceira guerra mundial aos pedaços que estamos vivendo, não estamos a caminho da grande guerra mundial pela água”, afirmou o Papa Francisco nesta sexta-feira, 24, ao concluir um seminário sobre o direito humano à água.
O evento promovido pela Pontifícia Academia das Ciências reuniu ontem e hoje, no Vaticano, 90 especialistas de toda parte do mundo, inclusive do Brasil, entre professores, membros de ONG e representantes de governos. A proposta foi discutir o papel central das políticas públicas na gestão da água e dos serviços ambientais.
Essa questão da água é fundamental e muito urgente, disse o Papa, pois onde há água há vida. Porém, ele fez a ressalva de que nem toda água é vida, apenas aquela segura e de qualidade, água potável, à qual toda pessoa tem direito e também um dever.



“O direito à água é determinante para a sobrevivência das pessoas e decide o futuro da humanidade. É prioritário também educar as próximas gerações sobre a gravidade desta realidade. A formação da consciência é uma tarefa árdua; precisa convicção e entrega”.
Francisco também citou alguns dados alarmantes da ONU sobre a água, ou melhor, sobre sua precariedade: a cada dia, mil crianças morrem por causa de doenças relacionadas com a água; milhões de pessoas consomem água contaminada. São dados diante dos quais não se pode ficar indiferentes, frisou.
“Estes dados são muito graves; se deve parar e inverter essa situação. Não é tarde, mas é urgente tomar consciência da necessidade da água e de seu valor essencial para o bem da humanidade”.
Além de ser fundamental, Francisco observou que o direito à água é uma prerrogativa para proteger os demais direitos. “Deus Criador não nos abandona neste trabalho para dar a todos e a cada um um acesso à água potável e segura. Porém o trabalho é nosso, a responsabilidade é nossa (…) Não esqueçamos que a cada dia mil crianças, cada dia, morrem por enfermidades relacionadas com a água”.