Setembro Dom José celebra história do primeiro bispo de Sobral

sexta-feira, setembro 15, 2017
Visionário e apaixonado pela cidade onde nasceu e da qual foi o primeiro bispo, D. José Tupinambá da Frota continua vivo na memória e na história de todos os sobralenses. O Setembro Dom José, dedicado a relembrar seus feitos, é o mês no qual recordamos ao mesmo tempo seu nascimento em 10 de setembro de 1882 e seu falecimento no dia 25 de setembro de 1959. 
A programação da 18a edição do Setembro Dom José terá como evento central um encontro na segunda-feira, 18, às 19h30, no Teatro São João. Além de Dom José, também será lembrado o Professor Teodoro, idealizador e realizador das homenagens nos anos anteriores.
Dom José Tupinambá da Frota foi o primeiro bispo da Diocese de Sobral, criada em 10 de novembro de 1915, pelo Papa Bento XV. Sua sagração episcopal foi realizada na Bahia no dia 29 de junho de 1916, aos 33 anos de idade, por D. Jerônimo Thomé da Silva, arcebispo primaz da Bahia. Sua posse na diocese tem data em 22 de julho de 2016. É considerado o maior benefeitor de Sobral e o segundo fundador da cidade pelo conjunto de realizações nos campos eclesial, político, cultural e administrativo.
Entre realizações de Dom José, ele primou por um aparato multiforme, constituído pelo Seminário São José, na Betânia, os colégios Sant’Ana e Sobralense, a Santa Casa de Misericórdia, o jornal Correio da Semana, o Abrigo Sagrado Coração de Jesus, o Banco Popular e o Museu Diocesano. Durante 51 anos, dos quais 8 como vigário e 43 como bispo, foi o chefe, o líder, o pai espiritual da comunidade sobralense.
Vida e obra
Filho de Manuel Artur da Frota e Raimunda Artemísia Rodrigues Lima, Dom José nasceu em Sobral, no dia 10 de setembro de 1882. Após os estudos primários na cidade natal, concluiu o curso secundário no seminário de Salvador (BA).
Em Roma, cursou Filosofia e Teologia, sempre com brilhantismo. De lá voltou Doutor nos dois cursos. Na Cidade Eterna foi ordenado padre, no dia 29 de outubro de 1905. Em 1906, ao voltar ao Brasil, trabalhou inicialmente em Sobral, ajudando o Pe Diogo, seu tio, nos afazeres paroquiais. Em 1907, atendendo o convite de D. José de Camargo Barros, lecionou Teologia Dogmática, Ética e Liturgia no Seminário da Ipiranga, em São Paulo.
Em 1908, foi nomeado por D. Joaquim, vigário da Paróquia de Sobral, onde fixou residência. Durante os oito anos em que esteve à frente da paróquia, deu provas de seu dinamismo empreendedor, raro talento administrativo e admirável piedade pastoral: melhorou e embelezou a Matriz, estruturou a catequese, deu nova vida às associações religiosas, dignificou os atos litúrgicos e fundou um dispensário, dedicando-se aos pobres e enfermos.
O bispo escreveu e publicou dois livros: “História de Sobral” e “Traços biográficos de Manuel Artur da Frota”. Faleceu no dia 25 de setembro de 1959, aos 77 anos de idade. Foi sepultado no pavimento da Capela do Santíssimo, na Catedral, a seu pedido, sob um epitáfio esculpido em mármore, com essas palavras: “Ad pedes Domini pie requiescat”. Seu lema: “Opportet illum regnare”. (Com informações do Portal da Diocese de Sobral e do Pe. Assis Rocha
Teresa Fernandes
Jornalista
Correio da Semana